sábado, 5 de fevereiro de 2011

O TEATRO DA ALMA

Pr. Raul Marques

“E tudo o quanto fizerdes, por palavra ou por obra, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por Ele graças a Deus Pai” Colossenses 3.17


A tarefa mais difícil na vida cristã não é ir à Igreja costumeiramente, mas estar na Igreja conscientemente. Por que será que o apóstolo Paulo chamou a igreja de Corpo de Cristo? Ora, se Cristo é santo e a igreja é o seu corpo, e nós somos o Corpo de Cristo, é fácil deduzir que devemos ser santos. Devemos estar separados de tudo o que é próprio dos pagãos, dos incrédulos, dos escarnecedores, dos ímpios, etc. No entanto, o reconhecimento dos que estão separados não é nada simples; é uma das tarefas mais complicadas. Tanto é que o Senhor Jesus ilustrou através de uma parábola o seguinte ensino: Mateus 13.24 Jesus propôs-lhes outra parábola: O Reino dos céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo. 25. Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu. 26. O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio. 27. Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: - Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio? 28. Disse-lhes ele: - Foi um inimigo que fez isto! Replicaram-lhe: - Queres que vamos e o arranquemos? 29. - Não, disse ele; arrancando o joio, arriscais a tirar também o trigo. 30. Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro. São semelhantes, nunca iguais! É exatamente por este fato que vemos tantas vezes a fé teatralizada. Isto tem a ver com a vocação da alma humana. Ela tem sede de fantasia. Ela foi degenerada pelo pecado e tem uma inclinação tenebrosa para o parecer ser... É por esta razão que às vezes ficamos perplexos e sobressaltados com certas atitudes que não dizem respeito à verdadeira conduta cristã. É por isso que temos tanta dificuldade para compreender certas ações de pessoas que apenas aparentam ser aquilo que, na verdade, não são. É o teatro da alma. Ela se traveste. Ela se transforma de acordo com o papel que intente representar. São as muitas facetas do engano. São a presença constante das máscaras sociais e espirituais. Existem pessoas cujas almas são feias e sujas, e não lhes adianta a cor com que se pintaram; mais cedo ou mais tarde a maquiagem estará borrada; quem sabe, as lágrimas mancharão a tintura do rosto e revelarão as deformidades originais. Esses são o joio. No entanto, felizmente há também o verdadeiro trigo, em cuja semente não há mistura, não há artificialismos, mas originalidade. E quando se encerram os atos e o teatro chega ao fim, resta tão somente a verdade. É neste exato instante que ocorrerá aquilo que o próprio Jesus ensinou: Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro. Que Deus tenha misericórdia de todos nós!

Um comentário:

Unknown disse...

Paz!
sempre com inspiração divina,acredito mas do que nunca que quando não há choro pelo pecado, quando não há tristeza por aquilo que vez por outro leva o homem a usar máscaras, o homem estará caminhando na direção de uma voz final: Afastai-vos de mim, espero e oro que Deus mova o seu povo ao um verdadeiro arrependimento sem máscaras,que não pinta o evangelho que já está tão pintado...abraço meu amigo!