terça-feira, 7 de junho de 2022

 MANICÔMIOS...

Pr. Raul Marques

H
á algum tempo ouvíamos freqüentemente a expressão “Este mundo virou uma imensa Babel!”. Era, talvez, o diagnóstico mais evidente de que estávamos todos perdendo a capacidade do diálogo e do entendimento entre os homens na terra. Tantas coisas já passaram... Vivemos um tempo cada vez mais técnico, mais utilitário e mais anacrônico! Nunca vivemos tanta frieza e desprezo uns pelos outros como temos observado agora... Somos hoje quase 7 bilhões de seres humanos trancados em manicômios sociais que são denominados estranhamente de Shoppings, Universidades, Estádios, Empresas, Igrejas e Lares da modernidade. Vivenciamos uma esquizofrenia social sem precedentes! 

                A mente e o coração da humanidade estão enfermos. A nossa espantosa forma de viver hoje me fez lembrar um episódio temerário que eu e minha esposa experimentamos em um dos edifícios mais altos do Rio de Janeiro, quando ficamos trancados por alguns infinitos minutos dentro de elevador onde estavam, mais ou menos, umas 15 pessoas. De repente houve uma interrupção de energia elétrica e a máquina parou entre dois andares: o vigésimo primeiro e o vigésimo segundo. Passados alguns poucos minutos, as pessoas começaram a olhar umas para as outras com espanto e estranheza. Ninguém queria ficar perto de ninguém porque parecia que cada um tomava para si o oxigênio do outro... A coisa foi ficando dramática até que, de repente alguém do Corpo de Bombeiros gritou para que ficássemos tranquilos  pois eles estavam providenciando a nossa descida mecanicamente pela brecha que abririam entre um e outro andar. Vejo muita semelhança deste fato com a nossa maneira moderna (?) de viver. Ninguém visualiza o coletivo antes do particular. Estamos juntos, porém, estranhamente distantes. A árvore que dá sombra e que dá frutos agora tem dono. Dizemos viver em sociedade, mas o que importa mesmo é “cada um no seu quadrado”, mesmo que nada façamos para que todos tenham o “seu quadrado”.

Vivi recentemente algumas experiências que embasam tristemente esta realidade. Conheci uma jovem de 23 anos, com 3 filhos, acometida de 6 cânceres, que de tanto pavor da morte deixou de depender de 4 doses diárias e controladas de morfina para alívio de suas dores, para tornar-se dependente de mais 50 doses diárias, adquiridas ilicitamente, com traficantes de medicamentos. Conheci um jovem de 25 anos que se tornou dependente químico dentro de um quartel militar. Tomei ciência de que um irmão voltou à lama das drogas e sua família foi desprezada como se não houvesse mais chances de tratamento e do exercício da misericórdia. Vejo pessoas que antes eram ovacionadas, agora escandalosamente expostas ao ridículo, sem o menor arrepio na moral.

Estamos todos dentro de um grande manicômio social! Nunca tivemos tantas pessoas doentes da alma como agora. Nunca se viveu no mundo sob tanta desconfiança e suspeita. A espiritualidade nunca pareceu-nos tão inútil sob tantas regras esdrúxulas e extemporâneas. No entanto, a despeito de todo este caos, a solução está nos ensinos de Jesus, resumidos nesta porção: “Disse-lhes Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas” Mateus 22.37-40. Que o Senhor tenha misericórdia de nós!   

sexta-feira, 13 de maio de 2022

 COMO AS ESTAÇÕES DO ANO


Pr. Raul Marques

É incrível como tudo o quanto Deus fez é perfeito! Nada, absolutamente nada, está fora de mutualidade de interação, integração e cooperação. Tudo foi criado com um objetivo muito específico, e por este motivo existe, dentro de uma deliberada interdependência, para que uma parte seja a completude da outra parte, e assim sucessivamente... Vejamos, por exemplo, a imensa semelhança entre a vida individual dos seres humanos e as estações do ano com toda a sua riqueza de conteúdo e circunstância. “Todo mundo já sabe que durante o ano ocorrem quatro estações: Primavera, verão, outono e inverno. As estações do ano acontecem por causa da inclinação da terra em relação ao sol. O movimento do nosso planeta em torno do sol dura um ano. Esse movimento recebe o nome de translação e a sua principal conseqüência é a mudança das estações do ano. Se a Terra não se inclinasse em seu eixo, não existiriam as estações. Cada dia teria 12 horas de luz e 12 horas de escuridão. E como o eixo do planeta terra forma um ângulo com seu plano orbital, existe o verão e o inverno, dias longos e dias curtos. Durante o Verão, os dias amanhecem mais cedo e as noites chegam mais tarde. Ao longo dos três meses desta estação, o sol se volta lentamente para a direção norte e os raios solares diminuem sua inclinação. No início do Outono, os dias e as noites têm a mesma duração: 12 horas. Isso é porque a posição do sol está exatamente na linha do Equador. Porém, o sol, vai continuar se distanciando aparentemente para norte. A partir daí, os raios solares atingem o mínimo de inclinação no início do Inverno, e, ao contrário do Verão, os dias serão mais curtos e as noites mais longas. Então, o Sol vai começar a se deslocar na direção sul. Começando então a Primavera e os dias e as noites terão a mesma duração. Portanto, as estações do ano e a inclinação dos raios solares variam com a mudança da posição da Terra em relação ao Sol. Quando o Pólo Norte se inclina em direção ao Sol, o hemisfério Norte se aquece ao calor do verão. Seis meses mais tarde, a Terra percorreu metade de sua órbita. Agora o Pólo Sul fica em ângulo na posição do Sol. É verão na Austrália e faz frio na América do Norte”. A vida humana também existe em ciclos: na primavera existencial a vida é cheia de flores; os dias não são tão quentes e nem muito frios; há uma enorme manifestação de amor, de produção e de reprodução; no verão, no entanto, um período mais quente é mais comum a busca por lugares frescos, pelos ribeiros de água. Há uma explosão de alegria e nós tendemos a ser mais receptivos; o outono vem com as folhas caindo no chão da nossa existência: são os sonhos que se desfizeram... No inverno, tudo parece muito mais frio; as chuvas são freqüentes e há muita rajada de trovão e relâmpago; nós tendemos à reclusão nesta fase...
Em que período você está agora? Qual a estação existencial que você vive agora? Não importa qual delas venha a ser, o importante mesmo é saber se também em você os ciclos existem porque sua vida gira em torno de Jesus, o sol da justiça; e se esse movimento recebe o nome de adoração, as estações vão e vêm, as mudanças surgem e desaparecem, mas o principal permanece: o amor – cheio de muita esperança e fé – pois este, segundo a Bíblia, jamais acaba!

terça-feira, 1 de março de 2022

 DEPOIS DE ATIRADA A PRIMEIRA PEDRA...

Pr. Raul Marques


             Vivemos hoje em mundo completamente cheio de censuras, altamente discriminatório, enfermo da alma e sufocado pela solidão dos indivíduos! Será que estamos experimentando agora os modos de vida pensados por Aldous Huxley, porém em fases muito mais complexas? Será que já mergulhamos no mais profundo caos da coisificação da vida? Será que nos tornamos tão utilitários quanto descartáveis? Será que estamos testando inutilmente a teoria amarga e desiludida de Friedrich Nietzsche?

          Pois bem, o caos foi se instalando paulatinamente... Nada mais será como antes! A tecnologia avançou tanto que já se pensa num ser híbrido, meio homem, meio máquina. Quem diria? Uma coisa apenas podemos ter absoluta certeza: Deus foi, é e sempre será o mesmo ontem, hoje e eternamente! Nele não há sombra de variação!

            Dado que este é o quadro mais realístico que podemos expor na galeria da existência, me deparei com diversas elucubrações em textos bíblicos que certamente nos auxiliarão na caminhada da exposição de situações que nos auxiliem na compreensão de fatos e ocorrências tão absurdamente desconcertantes entre o natural e o sobrenatural.

        Quando Jesus se encontrou exposto no traumático evento da “mulher adúltera”, expressão que, traduzida para os nossos dias, ganha novos contornos sociais e denuncia a ferocidade dos mais diversos tipos de discriminação, além de escancarar o tratamento difuso entre atores da mesma cena, incluídos no mesmo roteiro e protagonistas dos mesmos erros! Será a partir deste contexto que discorremos e caminharemos na nossa reflexão.

            Quando Jesus causa espanto e paralisia nos circunstantes, presentes na cena degradante de João 8.2-11, mostra-nos muito mais que a escrita da narrativa. O primeiro ponto estranho é o histórico: Jesus estava sendo duramente perseguido porque o seu discurso era completamente diverso daquele encontrado na sociedade de então, principalmente entre os religiosos, que ousavam pensar que eram os únicos capazes de interpretar os comportamentos e censurá-los à luz dos seus valores e conceitos.

          A primeira pedra atirada contra aquela mulher (pecadora, é verdade, entretanto, vulnerável e indefesa!), não foi lançada fisicamente por qualquer pessoa... A primeira pedrada foi a sua exposição pública: “Os mestres da lei e os fariseus trouxeram-lhe uma mulher surpreendida em adultério. Fizeram-na ficar em pé diante de todos e disseram a Jesus: "Mestre, esta mulher foi surpreendida em ato de adultérioJoão 8:3-4. Alguém, como eles no passado, pode argumentar hoje o seguinte: “ela foi surpreendida em pecado e a lei tinha aplicação para isto!”. Sim, é verdade, a lei assim determinava, porém, a frieza e crueldade da análise para aplicação da lei foi restabelecida por Jesus ao afirmar: "Se algum de vocês estiver sem pecado, seja o primeiro a atirar pedra nela" João 8:7.

               A primeira pedra atirada contra a mulher na narrativa bíblica foi uma ação deliberada do Diabo em Gênesis 3.1: “Ora, a serpente era o mais astuto de todos os animais selvagens que o Senhor Deus tinha feito. E ela perguntou à mulher: “Foi isto mesmo que Deus disse: ‘Não comam de nenhum fruto das árvores do jardim?’”. Esta pedrada repercutiu em toda a descendência humana tal como uma pedra lançada na superfície de um lago e segue saltitando e deixando marcas até que, finalmente, afundará em algum ponto...

         Resta-nos aqui uma parada final para reflexão pontual: depois de atirada a primeira pedra as repercussões são sempre gravíssimas! Nunca será a última pedra a que matará a pessoa alvejada! Já começamos a matar quando intentamos em nosso coração criticar e censurar a vida de alguém sem olharmos dentro dos nossos próprios olhos através do espelho da vida! Muito antes de atirada a primeira pedra já iniciamos o sacrifício mortal de alguém... Veja o que nos ensinou o Mestre Jesus: “Porém Eu advirto a todos: - a menos que vocês tenham melhor caráter que os fariseus e outros líderes dos judeus, não poderão de maneira nenhuma entrar no Reino do CéusMateus 5.20. Pensemos muito bem antes de atirar qualquer pedra conta alguém!

 

 

segunda-feira, 24 de janeiro de 2022

 QUANTAS VEZES JÁ NEGUEI A JESUS?


Pr. Raul Marques


Com atitudes estranhas e incompreensíveis todos nós ficamos admirados e surpresos, mas somente quando as vemos nos outros... Parece até que essas coisas nunca ocorrem conosco! Pois bem, foi pensando nisto que me veio imediatamente à memória a triste situação em que se envolveu o apóstolo Pedro com relação à negação da amizade tão estreita que ele tinha com Jesus Cristo. Pior do que a própria situação de Pedro é a situação daqueles que pensam estar imunes a essas tristezas de comportamentos inoportunos e injustificáveis. Pedro torna-se o arquétipo da contradição humana de amar e esquecer num piscar de olhos, quando nega publicamente que tinha conhecimento de quem era Jesus. Ele materializa toda a covardia humana diante da iminência do sofrimento honroso na defesa de causas tão nobres quanto aquelas que foram defendidas por Jesus, custando-lhe, inclusive, a própria vida.
Será que podemos nos excluir do rol daqueles que, como Pedro, traem a Jesus escandalosamente? Será que podemos agora parar por alguns instantes diante da inquietante arguição: “Quantas vezes já neguei a Jesus?”. Se formos bastante sinceros chegaremos a tristes conclusões...
Negamos a Jesus quando nos deparamos com a oportunidade de fazer o bem e não o fazemos. Negamos a Jesus quando temos a chance de ter uma família obediente a Deus e negligenciamos a experiência cristã dentro do nosso lar, deixando que o mundo dite as normas de nossa convivência no lar. Negamos a Jesus quando traímos os nossos irmãos ultrajando a igreja. Negamos a Jesus quando praticamos a nossa fé de maneira automática e superficial. Negamos a Jesus quando transparecemos tanto conhecimento religioso, mas vivemos tão vazios de humildade e simplicidade na fé. Não é que Pedro não gostasse de Jesus; ele simplesmente não foi capaz de demonstrar o seu amor na hora mais necessária. Será que estamos sendo recíprocos e leais com os nossos irmãos? Será que Jesus pode contar conosco? Que Deus tenha misericórdia de todos nós!