terça-feira, 24 de fevereiro de 2015


A PEDAGOGIA DA ESPERANÇA
Pr. Raul Marques
 

"Esperei com paciência no SENHOR, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor." Salmos 40:1


E

u sempre me pus profundamente maravilhado com o processo divinal que há na maternidade! É extraordinariamente encantador perceber os aparentes contrates das ações de Deus em toda a Sua criação! A fragilidade e candura da mulher são capazes de superar a dor nas mais diversas instâncias; a ingenuidade e inocência das crianças são capazes de enternecer os corações mais duros; o simples brilho das estrelas embevecem os olhares mais céticos; as quase imperceptíveis gotas da chuva transformam-se na imponência e força de rios e mares... Há toda uma pedagogia de Deus na criação.

A impaciência sempre foi inimiga das conquistas. Da dor lancinante do parto brota o sorriso vitorioso de uma longa espera. Há um tempo de ansiedade entre o plantio e a colheita. Há uma estrada a ser percorrida entre o sonho e sua realização. Com o tempo cada de nós aprende o valor e a necessidade da espera, por mais dolorosa e angustiante que ela se apresente.

O apóstolo Paulo compreendeu muito bem tudo isto quando, inspirado por Deus, declarou: “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, e a paciência à experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” Romanos 5:1-5. Nunca é sem custo que aprendemos a esperar; não porque Deus exija isto de nós, mas a nossa natureza caída e rebelde não nos deixa relaxar na inquietude, a menos que permitamos a ação benfazeja do Espírito Santo em nossas vidas.

Ao longo da minha existência tenho aprendido – às vezes, a duras penas! – que a melhor alternativa em meio às tribulações e inquietações, é a espera paciente. Para quem não sabe nadar, quanto mais se debate com as águas, mais se aproxima da morte. Para quem não sabe a saída do labirinto de perturbações da existência, quanto mais se arvora a resolvê-las do seu modo, tanto mais difíceis serão as soluções.

Em decorrência destas coisas, vale a pena deter-nos na experiência do salmista quando, mesmo fatigado e cansado, exultou: “Esperei com paciência no SENHOR, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor. Tirou-me dum lago horrível, dum charco de lodo, pôs os meus pés sobre uma rocha, firmou os meus passos. E pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no Senhor. Bem-aventurado o homem que põe no Senhor a sua confiança, e que não respeita os soberbos nem os que se desviam para a mentira” Salmos 40:1-4.

Embora saibamos que a jornada não é fácil e nem as soluções são simples, podemos confiar em Deus, agindo e vivendo pela fé, como nos ensina o profeta Isaías: “...mas aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças. Voam alto como águias; correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam” Isaías 40:31.

 

Um comentário:

Mailson Germano da Silva Germano disse...

Muito bom a pedagogia da esperança, mesmo em meio a desesperança vale a pena esperar, mesmo quando tudo parece que não há saída, vale a pena esperar àquele que nos ama que estará sempre ao nosso lado...Deus seja louvado pela reflexão, pois ao meu coração ela trouxe paz, certamente ao coração de outros também, Que Deus te abençoe.